Habilitando o "magic space" no seu ~/.bashrc

Obs: me cansei de tentar colar códigos no blogger, toda vez que houver algum código vou usar algum site de snippets.



É interessante perceber que certos manuais só são compreendidos depois de certa maturidade, cito como exemplo este, pelo qual já havia passado várias vezes e não tinha me dado conta das pérolas alí contidas.

Epiphany o navegador para máquinas modestas

Se você perceber que o navegador está consumindo muitos recursos de sua máquina teste o epiphany


apt-get install -y epiphany-browser epiphany-extensions

Rio: Policiais Corruptos tentam levar descrédito à implantação das UPPs

Após ações no Morro do Alemão surgiram denúncias contra policiais.

A leitura correta disto é a seguinte: Diante do desmantelamento do esquema de corrupção mantido pela banda podre da polícia que historicamente fazia pactos de não agressão com os bandidos, alguns policiais corruptos, ainda dentro da corporação buscam meios de levar descrétido à implantação das UPPs

Os policiais corruptos, que historicamente pactuaram com o crime organizado, não iriam perder uma oportunidade de levar descrétido a uma ação que vai contra seus interesses. Acredito que a continuidade da atuação da Polícia Federal irá desmantelar seu esquema. Aliás quem não lembra? Há um certo tempo 70 policiais do Rio foram presos pela PF, concursados da própria PF que já estavam na academia da Polícia Federal, prestes a assumir os cargos foram pegos.

Vim: Dos2Unix function

Adicionei uma exceção, de modo que a mesma só funciona se o arquivo estiver salvo, quem sabe depois não implemento um modo de atuar sobre um buffer novo.

I added an exception so that it only works if the file is saved, then maybe not implement a way to act on a new buffer.


Obrigado ao Bruno Boaventura pela correção do português!

Artigo em inglês comparando o ack o grin e o grep

Neste link
http://incise.org/searching-for-a-good-grep.html

Conheça o ack um concorrente matador para o grep

http://betterthangrep.com/

Para instala-lo na sua pasta ~/bin (caso tenha) é moleza

curl http://betterthangrep.com/ack-standalone > ~/bin/ack && chmod 0755 !#:3

O parâmetro final pega o nome do executável como parâmetro do chmod

Top 10 reasons to use ack instead of grep.

  1. It's blazingly fast because it only searches the stuff you want searched.
  2. ack is pure Perl, so it runs on Windows just fine.
  3. The standalone version uses no non-standard modules, so you can put it in your ~/bin without fear.
  4. Searches recursively through directories by default, while ignoring .svn, CVS and other VCS directories.
    • Which would you rather type?
      $ grep pattern $(find . -type f | grep -v '\.svn')
      $ ack pattern
  5. ack ignores most of the crap you don't want to search
    • VCS directories
    • blib, the Perl build directory
    • backup files like foo~ and #foo#
    • binary files, core dumps, etc
  6. Ignoring .svn directories means that ack is faster than grep for searching through trees.
  7. Lets you specify file types to search, as in --perl or --nohtml.
    • Which would you rather type?
      $ grep pattern $(find . -name '*.pl' -or -name '*.pm' -or -name '*.pod' | grep -v .svn)
      $ ack --perl pattern
    Note that ack's --perl also checks the shebang lines of files without suffixes, which the find command will not.
  8. File-filtering capabilities usable without searching with ack -f. This lets you create lists of files of a given type.
    $ ack -f --perl > all-perl-files
  9. Color highlighting of search results.
  10. Uses real Perl regular expressions, not a GNU subset.
  11. Allows you to specify output using Perl's special variables
    • Example: ack '(Mr|Mr?s)\. (Smith|Jones)' --output='$&'
  12. Many command-line switches are the same as in GNU grep:
    -w does word-only searching
    -c shows counts per file of matches
    -l gives the filename instead of matching lines
    etc.
  13. Command name is 25% fewer characters to type! Save days of free-time! Heck, it's 50% shorter compared to grep -r.

Há uma ferramenta similar feita em python
http://pypi.python.org/pypi/grin

Leia mais sobre o grin aqui.

Vim: Visual Select Mode

 Fonte: StackOverflow

Consider the following common scenarios:
You need to select to the next matching parenthesis.
You could do:
  • v% if the cursor is on the starting/ending parenthesis
  • vib if the cursor is inside the parenthesis block

You want to select text between quotes:
  • vi" for double quotes
  • vi' for single quotes

You want to select a curly brace block (very common on C-style languages):
  • viB
  • vi{


Caso esteja no mei de parênteses chaves ou colchetes basta pressionar % que ele pula automaticamente para o começo e em seguida fica alternando entre começo e vim.

O que esperar do novo Firefox

Espere um desempenho assustadoramente melhor, muito mesmo, eu estou testando e estou achando ele uma bala.

Esta notícia é ótima para quem curte o firefox, trata do desempenho da nova versão, neste link. Para baixar a versão Beta atual clique aqui.

Botando a cara no mundo

 Alguma vez você já fez esta pergunta?

Como fazer para que cada vez que eu fizer um comentário em um blog meu rosto apareça ao lado do comentário?
Basta criar uma conta aqui: http://pt.gravatar.com/
No br-linux há uma página explicando direitinho, neste link.




Já fiz um post sobre como criar o avatar no gimp
http://vivaotux.blogspot.com/2008/11/como-criar-um-avatar-usando-o-gimp.html

veja o resumo aqui:
Avatar Com o Gimp

Referência para estudo: http://wwrant.blogspot.com/2007/08/adding-your-gravatar-to-blogger.html

Programando o seu editor favorito

Abaixo três funções legais para inserir no seu ~/.vimrc, assim você pode pressionar F4 e inserir um cabeçalho e cada vez que um arquivo que contiver cabeçalho for salvo ele faz um update na data de forma transparente.

Avanço tecnológico faz ricos se rebelarem contra impostos

Não se enganem, o pobre sempre pagou e paga seus impostos corretamente, os ricos é que sempre sonegaram. A CPMF cobrava uma fração sobre movimentação de cheques, agora reflita comigo:

A CPMF é uma forma de pegar os grandes sonegadores deste país, grandes empresários que sempre conseguem burlar o fisco.

Vim - Chose color themes to vim

Get Top 100 Themes to vim at

http://www.vim.org/scripts/script.php?script_id=625

Uncompress colors, open gvim and do:

:args *

after create this cmap to switch color


Há um site que converte temas do texmate para vim ou do kate
http://coloration.sickill.net/
se quizer tentar tem alguns temas do texmate aqui:
https://github.com/filmgirl/TextMate-Themes/

Sed - ame-o ou deixe-o

separando o ultimo campo de um caminho

O problema

Galera,
preciso pegar o ultimo campo. Vou explicar, tenho as linhas
 
/dados/teste/uu/eu.sh
/dados/eu/eu.log
/nfs/bin/cp
 
preciso separar o que é o full path e o que é o arquivo. Tipo:
 
full=/dados/teste/uu/
arq=eu.sh
 
full=/dados/eu/
arq=eu.log
 
e por ai vai.

A solução

sed -i.backup -r  's,(.*/)(.*),full=\1 \narq=\2,'  arquivo
use '-i' para alterar diretamente o arquivo com o sed, com 
-i.backup ele gera um backup antes
 
 
troquei o delimitador para não confundir com as barras 
veja  sed -
 
r ............. expressões regulares extendidas
(.*/) ......... grupo 1 tudo até a ultima barra
(.*) .......... grupo 2 nome do arquivo
\1 ............ coloca o grupo 1 no local indicado
\2 ............ coloca o grupo 2 no local indicado
\n ............ note o \n antes de 'arq='

Bazar beneficente em Fortaleza

Compareça e divulgue. Leve um Kg de alimente não perecível que
será doado para a creche Santa Maria Goreth (Av. Godofredo Maciel Parangaba).

Novo site de buscas

A primeira impressão que tive foi que ele é muito rápido, além disso
ele não tem propaganda e é muito personalizável, por exemplo você pode
habilitar https por padrão. Acesse nete link. Se desejar ir além pesquise
por recursos ocultos, pesquisei o que aconteceu no dia do meu nascimento
"november 8, 1968".


Tem mais coisa

pw .......... gera uma senha aleatória
rand 100 .... gera um numero aleatório
ip .......... pega o seu ip externo
j/k ......... avança/retrocede na listagem
50*45 ....... faz calculos como o google
#vim ........ busca hastags do twitter



Para saber mais acesse: https://duckduckgo.com/goodies.html

O site ainda não tem sugestões de busca como o google mas já existe um plugin para esta tarefa: http://nfriedly.com/stuff/duckduckgoogle/

Se você usa o vim teste o plugin surround

Cara, se eu tivesse testado este plugin antes eu não estaria tão arrependido, arrependido de não usar a mais tempo. Mas não faça apenas instalar, leia o manual para ver o poder absurdo deste plugin, não é a toa que ele está entre os top plugins do vim.


Surround Plugin from Derek Wyatt on Vimeo.

Obtenha-o aqui: http://www.vim.org/scripts/script.php?script_id=1697

Entenda porque amo o editor vim

Globals, Command Line and Functions from Derek Wyatt on Vimeo.

In this "advanced" video, we use the modification of an XML Mindmap into a standard bullet-style hierarchical list. To do this, we do nothing but use the Command-Line. Why? Well, we want to remember this stuff persistently in a function later. Ultra cool stuff!

Thanks to "Freemind" and "BoinxTV" for their excellent software.

Rádio CBN tentando induzir o eleitor ao erro

Vejam que tantativa deslavada de manipulação ideológica, tentar especular como será o governo da Dilma, da mesma forma que acharam que o Governo Lula seria uma catástrofe eles agora ficam tentando dizer como será um governo ainda nem começou.

Não se engane meu povo a elite é inteligente, só que o povo brasileiro ainda precisa estar atento para não cair nesse engodo. veja o link citado aqui.

A injustiça e a miséria

Uma frase, entre tantas possíveis é capaz de resumir as causas da violência em
nosso país: "A paz é fruto da justiça". Quantos assaltantes de banco, quantos
traficantes de drocas de 8 anos de idade vocẽ conhece? Quer dizer que os atuais
assaltantes e criminosos de toda espécie são fruto não do governo atual. Como
uma semente que se planta a injustiça não tem reflexos imediatos.  Desde
o regime militar milhares de nordestinos abandonados à sua própria sorte
migravam para os guetos das grandes cidades, os filhos destes aos poucos
contribuiram para criar os grupos organizados de tráfico de drogas. Ao mesmo
tempo o dinheiro do país escoava para paraísos fiscais de bancos suiços, aliás
á Suiça é que é o país mais corrupto do mundo.

Após um ciclo de exploração da miséria que parecia interminável, pela primeira
vez na história deste país alguem consegue agir na direção contrária ao
interesses particulares e olha para seu povo. Diante do risco eminete aos seus
interesses a classe dominante, dona dos meios de comunicação, rádios, revistas
e jornais, atua com toda força, mentindo, caluniando e forjando "verdades" para
conseguir seus objetivos. Para eles a ética é algo mutante, a verdade algo que
se pode criar ou esculpir e assim ganhar a forma que lhes convém, e nós
nacionalistas e que amamos nosso povo não podemos calar nesta hora. É chegada
a hora da luta.

Desde 2004, PSDB paulista gastou R$ 250 milhões com a mídia (quase tudo sem licitação)

Materia original neste link.

Desde 2004, PSDB paulista gastou R$ 250 milhões com a mídia (quase tudo sem licitação)

Por rita scaramuzzi
excelente!
Do VioMundo
14 de outubro de 2010 às 19:37

NaMaria: Desde 2004, PSDB paulista gastou R$ 250 milhões com a mídia (quase tudo sem licitação)

por Conceição Lemes
Transparência é sine qua non em todo negócio público. Uma das formas de garanti-la é a licitação, quase sempre obrigatória. Mesmo nas situações excepcionais em que é dispensável, o contrato da minuta tem de estar disponível, on-line, para consulta. O descumprimento dessas normas tem de ser denunciado, é óbvio.
Rápida busca no Google revela que denúncias nesse setor (às vezes improcedentes) geralmente ganham destaque na velha mídia quando envolve pessoas e órgãos ligados ao governo federal ou aos aliados da base de sustentação do presidente Lula.
Essa mesma mídia, no entanto, silencia sobre as benesses que recebe da Secretaria de Educação do Estado de São Paulo (SEE-SP), via Fundação para Desenvolvimento da Educação (FDE), pela venda de apostilas, jornais, revistas, livros.
“Desde 2004, especialmente de 2007/2008 em diante, a FDE pagou no mínimo R$250 milhões (R$248.653.370,27) [valores não corrigidos] à Abril, Folha, Estadão, Globo/Fundação Roberto Marinho”, denuncia NaMaria, do NaMaria News , ao Viomundo. “A maioria sem licitação.”
“As vendas maciças desse papelório à FDE coincidem com o apoio crescente da mídia à candidatura José Serra e apoio ao PDSB”, observa NaMaria. “As publicações são apenas cortina de fumaça. Uma desculpa perfeita, pois com dinheiro do FNDE podem-se comprar tais coisas. Porém, o que a FDE comprou, de verdade, foi a palavra nesses espaços.”
“Em São Paulo, à custa da educação pública estão se construindo inúteis ‘escolas de papel’”, nota NaMaria. “Afinal, esse papelório é dispensável e o destino, o lixo. Quem não se lembra dos Cadernos do Aluno, caríssimos, feitos em editoras como a Plural (da Folha), Ibep, Posigraf, FTD, que foram encontrados em caçambas de lixo, e dos que tinham o mapa da América do Sul com dois Paraguais?”
“Todo o dinheiro da compra de jornais, revistas, apostilas, inclusive daquelas mochilas que o Serra alardeia nas propagandas, vem do FNDE”, revela NaMaria. “Mas a SEE-SP e a FDE omitem, fazem bonito com os donos da mídia com o chapéu do governo federal. As compras estão dentro da lei, mas será que são relevantes?”
Por exemplo, para a Editora Abril/FundaçãoVictor Civita foram entregues R$ 52.014.101,20 para comprar 4.543.401 exemplares de diferentes publicações. Com esse dinheiro, poderiam ser construídas quase 13 escolas ou 152 salas de aula novinhas, com capacidade para mais de 15 mil alunos nos três períodos – considerando que uma escola com 12 salas custe R$ 4,1 milhões e cada sala cerca de R$340 mil.
FNDE é o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação, vinculado ao Ministério da Educação e Cultura (MEC). A FDE-SP, criada para cuidar da construção e infraestrutura escolar, cresceu demais, adquiriu poderes imensos, virou um buraco negro. Exceto a folha de pagamento, passa por aí desde o dinheiro para a compra de papel higiênico (suprimentos), merenda, material didático, mobiliário escolar, kits escolares (mochila, cadernos etc.), projetos pedagógicos, capacitações até o destinado para aquisição de computadores e softwares.
“A FDE sequer publica no Diário Oficial (DO) a justificativa de suas compras que dispensam de licitação”, condena NaMaria. “Até hoje encontrei poucas. Por exemplo:  assinaturas do Diário Oficial, feitas pelas Diretorias de Ensino, locações de imóveis, serviços emergenciais de limpeza escolar. Mesmo assim incompletas. Outras secretarias até publicam, a Educação, não. Não é piada?”
O NaMaria News existe há um ano e meio. A “dona” é uma web-pesquisadora muito dedicada e competente, com faro finíssimo para descobrir desmandos na educação pública, principalmente os praticados pelo PSDB de São Paulo. A veracidade e excelência do seu trabalho são tamanhas que NaMaria hoje é referência.
NaMaria é uma só. Mas, por meio das redes, vira uma legião capaz de chegar a qualquer canto do Brasil. Por isso, neste segundo turno da eleição presidencial, o Viomundo entrevistou-a, para entender melhor os meandros dos negócios dos tucanos na área educacional.
Afinal, a Secretaria da Educação Estadual de São Paulo é uma das maiores empresas públicas do mundo: tem 4.449.689 de alunos (matrículas 2009), 278.443  professores ativos (comprove aqui) e execução orçamentária recorde em 2009 de R$ 1.9 bilhão (Relatório FDE).
Viomundo – Vou começar com a pergunta que todo mundo gostaria de fazer a você: como descobre tudo isso?
NaMaria – (Risos)…lendo o Diário Oficial de São Paulo. Lá temos drama, suspense, ação, ficção científica, mistério. E um pouco da realidade, que não faz mal a ninguém. Vai dizer que a notícia dada no DO de que o Alckmin, quando governador em 2003, acabaria com as enchentes do Tietê não é ficção? E que saiu por quase um bilhão de reais, com dinheiro japonês, não é de matar de emoção? Só é.
O Diário Oficial também tem muita diversão. É como se eu me movesse num enorme labirinto. Por exemplo, eu chego lá com o número de um contrato ou o nome de algum personagem histórico do mundo dos negócios. Eu tenho de seguir o rastro dele, atentando às mínimas pistas, para reconstruir as tramas. Às vezes ao “caçar” compras de jornais e revistas sem licitação, acho um contrato recém-assinado, milionário, com empresa de aluguel de computadores ou serviço de lanches, prestação de serviços em eventos.
Sem dúvida, o DO (risos, de novo) é o melhor jornal de todos os tempos. Parece ser o único que fala alguma verdade – mesmo que por outras vias. Há também os leitores que nos enviam sugestões de pesquisa, denúncias, perguntas interessantes.
Viomundo – Qual o seu diagnóstico da educação pública em São Paulo?
NaMaria – Quem mora em outro estado e vê a propaganda, acha que a nossa educação vai muito bem. Tremenda ilusão. A propaganda é bonita mas pura mentira. A educação vai péssima. O fracasso pedagógico está claríssimo. Basta conversar com pais, alunos e professores. As escolas públicas paulistas são protótipos caros de cadeias e túmulos de sonhos. As crianças e os jovens que as frequentam são o que menos importam aos gestores. Idem os professores.
Viomundo – São Paulo é o estado mais rico da federação, a Secretaria de Educação tem muito dinheiro. Por que os resultados práticos são tão ruins?

NaMaria — Dinheiro não significa qualidade. E dinheiro mal empregado, pior ainda. É a máxima do menos é mais, só que ao avesso. O fracasso pedagógico decorre da filosofia implantada aqui: a nossa educação é baseada em negócios.
Viomundo – Esse modelo começou com o Serra na Prefeitura?
NaMaria –  A filosofia, não. Mas a relação desse modelo de negócio com a mídia, sim. Muitos dos meganegócios, prestações de serviços, projetos “pedagógicos”, empresas ganhadoras e práticas atuais da FDE tiveram berço com Serra quando prefeito de São Paulo.
Viomundo – Comecemos pela filosofia.
NaMaria — A educação baseada em negócios começou em Brasília, no governo de Fernando Henrique Cardoso (PSDB), quando Paulo Renato de Souza era ministro da Educação (1995 a 2001). Vários membros da equipe abriram empresas quando saíram do governo e passaram a vender serviços para o próprio governo. O próprio Paulo Renato montou a PRS Consultoria.  A Veja, parceira visceral da SEE-SP, já no início da década de 90 fazia elogios rasgados à política educacional do Paulo Renato.

Em janeiro de 2005, quando o Serra se tornou prefeito, muitos deles vieram para cá para  implantar o projeto de negócio em educação.
Em dezembro de 2007, já com Serra governador de São Paulo, o projeto aparece no estado. A secretária de Educação era Maria Helena Guimarães de Castro, ex-MEC e ex-secretária de Educação do Distrito Federal, do então governador José Roberto Arruda.
Daí, veio também para a SEE-SP a Iara Glória Areias Prado, ex-secretária-adjunta de Educação da Prefeitura, ex-assessora na empresa PRS do Paulo Renato, esposa do “homem das pesquisas”Antônio de Pádua Prado Júnior, o Paeco, cuja empresa APPM tem significativos clientes, entre eles a agência Lua Branca, do Luiz Zinger González, o marketeiro atual do Serra, cuja mesma agência fez trabalhos caríssimos para o Paulo Renato na SEE e que também é Conselheiro Consultivo da Fundação Mário Covas.
Veio ainda  a Cláudia Aratangy, hoje Diretora de Projetos Especiais no lugar da Iara Prado, que exerce outras funções poderosas. Veio a Guiomar Namo de Mello, que também é executiva da Fundação Victor Civita, é diretora da EBRAP – Escola Brasileira de Professores, conselheira na Sangari Brasil, está dentro da SEE/FDE – tendo sido contratada não pela Educação, mas através da FUNDAP Fundação do Desenvolvimento Administrativo –  (ver também a Resolução SE – 79, de 3-11-2009) –; é da equipe executora dos Cadernos dos Professores “Gestão do Currículo na Escola” 2008-2010 e por aí vai. Daí tem também a Maria Inês Fini, Zuleika de Felice Murrie e depois Eliane Mingues, entre outros.
A lista é imensa, podemos ficar aqui uma semana enumerando a ciranda. Detalhe: todos da turma do Paulo Renato dos tempos de MEC. Desde 2009, Paulo Renato é o secretário da Educação do Estado de São Paulo.
Viomundo – Você disse que muitas das práticas atuais da FDE tiveram início com Serra quando prefeito…

NaMaria – Te dou um exemplo. A Central de Atendimento da FDE é feita pela Call Tecnologia e Serviços, que chegou na Prefeitura de São Paulo, em abril de 2006, para fazer a Central 156. A Call foi parar, via licitação, na Educação de SP em março de 2009, para fazer um serviço que já era feito pelos funcionários da FDE: atender as chamadas telefônicas, orientar os usuários etc..
Mas o Paulo Renato e o Serra acharam por bem ter uma “empresa terceirizada mais profissional” para o serviço, para agilizar. Só que um tanto mais cara também: algo como R$ 3.984.000,00 (contrato 52/0020/09/05) – fora a tonelada de equipamentos, instalações e software que tiveram de comprar para a coisa andar direito; então lá se foram alguns milhões. E as empresas fornecedoras desses equipamentos e serviços também são velhas conhecidas tanto da prefeitura quanto do estado. Uma parte dessa aventura já foi tratada no NaMaria News (aqui). É bom não esquecer que a Call Tecnologia, original de Brasília, está na Operação Caixa de Pandora – junto com outras empresas de tecnologia, gráfica e software que negociam com São Paulo.
O Serra, na verdade, fez da prefeitura um piloto do que colocaria em prática, depois, no governo do estado. Testou tudo: tipos de negócios, projetos, mega-assinaturas de publicações da Abril, Estadão, Folha, Globo, ex-membros da equipe do Paulo Renato, até o próprio Paulo Renato. Portanto não é errado pensar que o seu governo estadual foi piloto para o que pretende fazer, se eleito como presidente. Ele gosta de um projeto-piloto.
Viomundo – Mas a Marta Suplicy (PT-SP) também comprou assinaturas revistas da Abril e outras editoras quando prefeita…
NaMaria – A Marta assim como governos anteriores. Acontece que ela comprava a maioria definitiva e comprovadamente para as bibliotecas. Quem queria ler ou consultar, ia às bibliotecas e pronto. No DO é fácil comprovar isso. Portanto, em quantidades e valores mínimos se comparados ao que vimos com Serra na Prefeitura, depois no governo do estado de São Paulo. É o caso do projeto Ler e Escrever, que surgiu na Prefeitura em 2005. Em 2007, ele apareceu na SEE-SP.
Viomundo – O que é o projeto Ler e Escrever?
NaMaria – Entre outras funções mais nobres, ele é responsável por comprar livros, sem licitação, em grandes quantidades, entre os quais aqueles noticiados em toda imprensa como “pornográficos”, tipo o Memórias Inventadas, do Manoel de Barros (463.088 exemplares, por R$ 2.315.440,00). Há editoras campeãs de vendas também, — estamos levantando isso.
Mas o mais intrigante desse projeto são as compras denominadas “materiais de apoio pedagógico”. Por exemplo: dez contratos [2008-2010] de revistinhas da Turma da Mônica (e Cascão), da Panini, que custaram aos cofres públicos de São Paulo quase R$ 27 milhões, sendo um deles de R$14 milhões numa tacada.
Foram gastos R$18 milhões em revista Recreio, da Abril. Para a Ediouro, nas compras de Coquetel Picolé, foram mais de R$6 milhões.
Aí, eu pergunto. Do ponto de vista educacional-pedagógico, que utilidade tem essas revistinhas? NENHUMA. Bem, os adeptos sempre podem recorrer à faceta lúdica, mas e aí? Como é isso na sala de aula?
Da Fundação Victor Civita, a Secretaria da Educação de São Paulo comprou 18.160 assinaturas da revista Nova Escola no final de 2004 e em outubro de 2007, respectivamente. Em 2008, saltou para 220 mil assinaturas, que custaram R$ 3.740.000,00.
Curiosidade: além de ter a Nova Escola no local de trabalho, os professores passaram a receber as revistas em suas casas. O que significa que endereços e dados pessoais dessa gente foram para o banco de dados da Fundação Victor Civita, sem permissão ou conhecimento prévio de seus donos.
O NaMaria acompanhou algumas dessas aquisições do Ler e Escrever. Só para a revistinha Turma da Mônica, da Editora Panini, que já teve negócios com a Globo, a  FDE pagou a ” módica” quantia de R$ 14.277.067,20.

O quadro abaixo não é completo, é apenas um apanhado do que eu consegui levantar.  Mas é de desnortear qualquer um, concorda?
Panini Brasil LTDA Contrato LinkDiário Oficial Valor
90.000 unidades Almanaque do Cascão, 90.000 unidades Almanaque da Mônica 15/0134/08/04 (Ler e Escrever) 29/mar/2008 561.600,00
9.000 Assinaturas Revista da Turma Mônica 15/0135/08/04 (Ler e Escrever) 29/mar/2008 1.422.900,00
103.092 avulsas: 51.546 Almanaque do Cascão e 51.546 Almanaque da Mônica 15/0695/08/04 (Ler e Escrever) 29/mai/2008 321.647,04
5.155 Assinaturas Revista Turma da Mônica 15/0694/08/04 (Ler e Escrever) 12/ago/2008 815.005,50
Livros títulos diversos ficção e não-ficção para 2ª, 3ª e 4ª séries do Ciclo I 15/1045/08/04 (Ler e Escrever) 14/out/2008 47.946,30
57.310 assinaturas da Revista Turma da Mônica 15/0147/09/04 (Ler e Escrever) 2/abr/2009 14.277.067,20
34.938 assinaturas Turma da Mônica Jovem e 279.504 unidades avulsas nº 1 ao 8  Turma da Mônica Jovem 15/0146/09/04 (Ler e Escrever) 17/abr/2009 4.373.538,84
195.749 unidades Almanaque do Cascão e 195.749 unidades Almanaque da Mônica 15/0148/09/04 (Ler e Escrever) 17/abr/2009 1.291.943,40
11.295 assinaturas da Revista Turma da Mônica 15/0502/09/04 (Ler e Escrever) 6/ago/2009 2.344.842,00
392.000 avulsos do Almanaque da Turma da Mônica (196.000 do Cascão, 196.000 da Mônica) 15/00549/10/04 (Ler e Escrever) 23/jun/2010 1.332.800,00
Total 26.789.290,28
Ediouro Ltda Contrato Link DO Valor
126.000 assinaturas Revista Coquetel Picolé (+ o aditamento ver DO 14/maio/08) 15/0180/08/04 2/abr/2008 1.892.062,80
132.244 assinaturas Revista Coquetel Picolé 15/0185/09/04 20/mai/2009 3.023.097,84
62.129 assinaturas Revista Coquetel Picolé 15/0529/09/04 26/ago/2009 1.183.557,45
Total 6.098.718,09
Viomundo – NaMaria já denunciou a compra de outras assinaturas, como  Veja, Estadão, Folha, IstoÉ, Época, Galileu… Tem ideia das justificativas para as compras e de quanto o governo de São Paulo pagou nos últimos anos às empresas que fazem essas publicações?
NaMaria – Raramente se encontra no Diário Oficial os contratos dessas compras, apesar de ser obrigatória a publicação bem como a justificativa, portanto não sabemos porque essa e não outra e tal. Mas sobre gastos dá para ter uma noção maior, desde que esteja tudo publicado. De modo que o meu apanhado é apenas de uma parte do dinheiro gasto. Pelas pesquisas do NaMaria, desde 2004, especialmente de 2007/2008 em diante, foram entregues no mínimo R$250 milhões (R$248.653.370,27) [valores não corrigidos]. Sem dúvida é mais do que isso, mas já dá para fazer uma reflexão.
Se pegarmos as compras feitas pela FDE à Abril (Guia do Estudante Vestibular, Atlas Nacional Geographic, Revista Recreio e Veja) e Fundação Victor Civita (Revista Nova Escola), em contratos sem licitação que o DO aponta desde 2004 até agora, teríamos a quantia de R$52.014.101,20 (tabela abaixo).
Com o mesmo dinheiro entregue à Abril/Civita, sem qualquer percalço licitatório, em troca de papel, poderíamos construir quase 13 novas escolas ou cerca de 152 salas de aula, com capacidade para mais de 15 mil alunos nos três períodos (manhã, tarde e noite). Desafogaríamos as escolas existentes e atenderíamos dignamente os alunos e comunidades.
Editora Abril / Victor Civita Contrato Link Diário Oficial Valor
18.160 assinaturas (renovação) Revista Nova Escola (DE’s/Ofs.Pedags/Escolas) SÓ HÁ 2 REGISTROS EM DO e eles falam em  renovação – onde, quando o contrato inicial? 42/2199/04/04 (ver DO 29/12/04) 14/jan/05 326.880,00
18.160 assinaturas (renovação) Revista Nova Escola 15/1063/07/04 23/out/2007 408.600,00
220.000 assinaturas da Revista Nova Escola – edições 216 a 225 (solicitado pela CENP para o “Ler e Escrever”) 15/1165/08/04 (ver DO 1/10/2008) 25/out/2008 3.740.000,00
4.475.480,00
415.000 exemplares Guia do Estudante Atualidades Vestibular 2008 15/0543/08/04 23/abr/2008 2.437.918,00
430.000 exemplares Edições nº 7 e 8 do Guia do Estudante Atualidades Vestibular 15/1104/08/04 22/out/2008 4.363.425,00
430.000 Guia do Estudante Atualidades Vestibular Ed.08 + 20.000 Revista do Professor 15/0063/09/04 11/fev/2009 2.498.838,00
540.000 Guia do Estudante Atualidades Vestibular Ed.09 + 25.000 Revista do Professor 15/0238/09/04 16/jun/2009 3.143.120,00
540.000 Guia do Estudante Atualidades Vestibular Ed.10 + 27.500 Revista do Professor 15/0614/09/04 29/ago/2009 3.249.760,00
540.000 Guia do Estudante Atualidades Vestibular 2º sem2009 + 27.500 Revista do Professor 15/00024/10/04 2/abr/2010 3.177.400,00
540.000 Guia do Estudante Atualidades Vestibular Ed.11-2º sem2010 + 27.500 Revista do Professor N.5 15/00473/10/04 15/jun/2010 3.328.600,00
540.000 Guia do Estudante Atualidades Vestibular Ed.12-2º sem2010 + 27.500 Revista do Professor N.6 15/00762/10/04 17/ago/2010 3.328.600,00
25.527.661,00
3.000 assinaturas Revista Recreio 15/0181/08/04 (Ler e Escrever) 29/mar/2008 1.071.000,00
6.000 assinaturas Revista Recreio 15/0182/08/04 29/mar/2008 2.142.000,00
5.155 assinaturas Revista Recreio 15/0670/08/04 12/ago/2008 1.840.335,00
25.702 assinaturas Revista Recreio 15/0149/09/04 17/abr/2009 12.963.060,72
2.259 assinaturas Revista Recreio 15/0528/09/04 1/set/2009 891.220,68
18.907.616,40
95.316 Atlas Nacional Geographic vols. 1 a 26, sendo 3.666 exemplares de cada volume 15/00273/09/04 (Sala de Leitura) 28/mai/2010 733.200,00
5.200 assinaturas da Revista Veja 15/00547/10/04 (Sala de Leitura) 29/mai/2010 1.202.968,00
5.449 assinaturas da Revista Veja 15/0355/09/04 20/mai/2009 1.167.175,80
3.103.343,80
52.014.101,20

Viomundo – Impressão ou as compras de “papéis” da SEE-SP são uma barafunda?
NaMaria – Não é impressão. É real. Se analisarmos os últimos 16 anos dos tucanos na educação em São Paulo, você descobrirá que não há um projeto verdadeiro de educação. Há “projetos”, para atender “interesses” de A ou B.
O universo das compras da SEE-SP é monumental, compra-se de tudo. E isso facilita compras de papelório de editoras, gráficas, fundações vinculadas aos meios de comunicação.
Aliás, as vendas maciças de papelório à FDE coincidem com o apoio crescente da mídia à candidatura José Serra e apoio ao PDSB. As publicações são apenas cortina de fumaça. Uma desculpa perfeita, pois com o dinheiro do FNDE podem-se comprar tais coisas sem grandes problemas. Porém, o que a FDE comprou, de verdade, foi a palavra nesses espaços.
Viomundo – Daria para clarear essas compras de papelório?
NaMaria – São confusas, mesmo. Muitas coisas são para os alunos, pelo menos são compras que pertencem a “projetos” criados para os alunos. É o caso dos livros do Ler e Escrever, também os do Salas de Leitura.
Tem muito projeto para incentivar a leitura, mas a biblioteca é um horror na maioria das escolas. Ou falta espaço físico, pois ela passa a ser um depósito de computadores “velhos”, apostilas “velhas”, materiais em geral.  Ou há desinteresse administrativo.  Ou, ainda, falta de competência mesmo. Criaram então um “projeto” em que os alunos levam os livros para casa e fazem sua própria biblioteca, eles não ficam na escola.
O que se vê em todos é um gasto fenomenal de dinheiro, algumas vezes com escolhas inapropriadas para idade/série. Não há dúvida de que é bacana o aluno, sobretudo o mais carente, ter sua pequena biblioteca, mas infelizmente há mais coisas por trás disso.
Viomundo – Esses livros são “trabalhados” nas salas de aula?
NaMaria – Não dá para saber ao certo, embora a SEE crie materiais (e capacitações presenciais e on-line), ensinando os professores a usar os materiais que coloca nas classes.
Eu gostaria muito de saber como são usadas, por exemplo, as centenas de milhares de exemplares do Guia do Estudante Atualidades Vestibular e a Revista do Professor – Atualidades, da  Abril. Elas são “primas” e caminham juntas. Se a gente olhar por alto alguns contratos, entre 2008-2010, vemos os gastos de mais de R$25 milhões. Mas como, exatamente, funcionam na escola não há registro por parte da SEE-SP ou da FDE. São informações que não chegam ao público comum.
No entanto, é facílimo averiguar. Não para nós, claro. Basta um grupo de deputados – eles têm passe livre – ir até algumas escolas, e analisar construções, mobiliários, reformas, livros, apostilas, computadores, merenda, entre outras coisas. Escolham as mais distantes, evitem as mais próximas ou as consideradas “melhores” pelo padrão FDE. E cheguem sem avisar, principalmente. Depois, divulguem amplamente os resultados. Duvido que tudo esteja o mar de rosas que a Secretaria da Educação de São Paulo anuncia nas propagandas.
Viomundo – Qual a sua avaliação dos tais Caderno  do aluno [tem também o Caderno do professor], que são apostilas como as de cursinho pré-vestibular?
NaMaria – Os Caderno do aluno são considerados materiais pedagógicos. Apoiado pelo mesmo pessoal que o acompanha desde o MEC, o Paulo Renato achou bacana ter essas apostilas. A FDE fez licitações para a impressão [serviços gráficos], contratou professores especialistas em cada área, montou equipe interna de técnicos e mandou ver, como o NaMaria mostrou (aqui) em novembro de 2009.
O estarrecedor, como sempre, foi a quantidade de dinheiro entregue às seis gráficas ganhadoras, entre elas aquela metida com o vazamento do ENEM, a Plural, do grupo Folha. Até novembro de 2009, a Secretaria da Educação, via FDE, havia entregado às empresas quase R$84 milhões [valores não atualizados].  A Plural foi a que mais recebeu: R$28 milhões. Fez inclusive apostilas que não estavam no edital. O levantamento precisa ser atualizado em 2010, algumas gráficas saíram, outras entraram e os valores certamente são outros. É preciso acrescentar muito dinheiro à essa conta.
Caderno do Aluno – gráficas
Caderno do aluno – Editora FTD (Artes e Ciências) 36/2912/08/05 Ver NM 12.554.353,96
Caderno do aluno – Ibep (Geografia e Filosofia) 36/2912/08/05 Ver NM 12.996.463,72
Caderno do aluno – Esdeva (Física e História) 36/2912/08/05 Ver NM 13.572.846,25
Caderno do aluno – Multiformas (Matemática e Sociologia, mas caiu fora – fica Plural) 36/2912/08/05 Ver NM 3.386.494,74
Caderno do aluno – Posigraf (Inglês e Química) 36/2912/08/05 Ver NM 13.286.501,68
Caderno do aluno – Plural (Bio/Port/Mat/Sociol/Educ.Física) 36/2912/08/05 + 36/1641/09/05 Ver NM 28.113.283,98

Total

83.909.944,33

Viomundo – O que sabe mais dos tais Caderno do aluno?
NaMaria – Além do mapa com dois Paraguais, de eles terem sido encontrados em caçambas de lixo, os alunos criaram sites com as respostas. Por exemplo, recentemente teve o caso do link que levava os alunos ao impróprio Naked News em vez de site de conjunto de jornais. O NaMaria foi o primeiro a divulgar isso, lembra-se?
Os professores da rede também criticam abertamente a qualidade desses materiais. Pelo que observo na internet, a maioria não os utiliza em sala de aula, mas representantes da FDE já anunciaram a continuidade das publicações – sabe-se lá até quando. É um belo negócio, esse do ensino apostilado.
Viomundo – As editoras privilegiadas por essas compras têm também gráfica. É só coincidência?
NaMaria -- As compras gráficas realmente merecem carinho especial. Se a SEE-SP tivesse gráfica, ela seria das maiores do Brasil. O estado tem a Imprensa Oficial, que poderia — e é usada pela SEE – mas nada se compara aos contratos com empresas privadas. Por exemplo, a Positivo começou como gráfica e hoje, muito graças à Secretaria da Educação de São Paulo, é uma gigante na informática. Para comprovar, basta seguir a história da empresa no DO desde o começo da informatização mais pesada do estado. A Positivo tem a Posigraf, que presta serviços de milhões e milhões à SEE-SP. Não podemos esquecer que bobina de papel é dinheiro disfarçado, faz milagres em eleições, sabia?

Viomundo – E as assinaturas dos jornais Folha e Estadão, Veja, Nova Escola, IstoÉ, Época…?

NaMaria — Dizem que são “materiais” para uso nas salas de professores, na administração e, claro, como apoio em sala de aula. Mas novamente não sabemos como isso se dá, nem qual a justificativa legal para tais compras. Como esses contratos dispensam licitação, não aparecem em DO, embora devessem. Por isso não sabemos a justificativa. Dá só para a gente imaginar – e ninguém pode reclamar se imaginarmos errado.


Quer outro exemplo de absurdo? Há um certo curso de idiomas que está acontecendo agora, outro projeto-piloto. A SEE-SP contratou algumas empresas particulares para fazer o que os professores da rede deveriam fazer: ensinar idiomas aos alunos estaduais. Mas como o projeto chama-se Programa de Aperfeiçoamento em Idiomas, fica parecendo que está tudo correto. Mas ele é muito estranho. Além de uma das empresas, a Multi Treinamento e Editora Ltda, estar em todo canto, pagam mais às empresas terceirizadas do que aos professores públicos. O NaMaria está pesquisando isso.
Viomundo – Da perspectiva de educação tem sentido a compra desse papelório?
NaMaria – Nem todas as compras parecem ter sentido. Sobretudo as feitas sem licitação, como aquelas das assinaturas de Veja, IstoÈ, Época, Folha, Estadão, El País e jornais do interior que mostrei no blog (aqui).
Há pedidos de informação na Assembleia. Há casos em investigação no Ministério Público de São Paulo. Mas não se sabe muita coisa, pois não publicam, demoram demais.
O fato é que o Tribunal de Contas aprova a maioria dessas compras sem ressalvas, julgam “regulares” e ponto. Quando ocorre o inverso, raras vezes, algo se passa que acabam bem da mesma forma, justificam-se as compras e tal. Mas como não temos acesso público às justificativas, sejam quais forem, a incógnita permanece.
Não há tanta transparência assim quanto dizem. Qual o sentido de se comprar só a Veja sendo que há a Carta Capital no mercado também? Por que apenas a Nova Escola se temos a Carta na Escola? Por que não licitar entre as editoras? Qual o sentido de gastar muitos milhões em Microsoft se há softwares livres ou outros que fazem o serviço melhor que os da Microsoft? Por que lançar um programa de venda de computadores para professores e nas máquinas estarem instalados o sistema operacional e as montanhas de tranqueiras da Microsoft que jamais serão usadas?
Ou seja: lançam um programa de “computadores mais baratos” e eles são de marca fornecedora da FDE há séculos (Positivo, por exemplo), com sistema operacional Microsoft e por aí vai. Por que criar apostilas cujos conteúdos são um tanto problemáticos, além de caríssimas, em vez de manter os livros aprovados pelo MEC e ao gosto do professor e seu currículo? Creio que estas e outras perguntas deveriam ser respondidas pelos professores e, logicamente, pelos alunos.
Viomundo – E a Globo onde entra nessas compras da FDE?
NaMaria – Via Fundação Roberto Marinho. Aí, há as apostilas do Telecurso, além  dos cursos técnicos comprados pelo Estado. Ou através da Editora Globo, que vende livros, revistas… Pelo que achei até agora temos o pequeno valor de R$54.184.737,71 – entre os anos de 2005 e 2010. Bom, né?


Viomundo – Todas essas compras são feitas sem licitação, mesmo? Isso não seria irregular?
NaMaria – A maioria é sem licitação. A lei da inexigibilidade de licitação – artigo 25 inciso I, da Lei 8666/93, permite isso. A questão é que os contratos, mesmo sem licitação, e a respectivas justificativas deveriam estar no Diário Oficial.  Pelo menos esses negócios ficariam mais transparentes. Mas isso não acontece na maioria dos casos. Como eu já disse: as outras secretarias até publicam no DO, a da Educação, raramente. Estranho, não é?
Poderíamos pensar em “ilegalidade” já que frequentemente há similares no mercado. Mas isso não é respeitado ou considerado.
Por outro lado, como se explica a compra por licitação dos materiais do Telecurso da Fundação Roberto Marinho para as escolas técnicas e os supletivos? O Namaria tratou disso (aqui). Por que fazer licitação para um material que somente a Fundação Roberto Marinho faz? Por que sempre entre as mesmas três gráficas licenciadas?
A gente tem de se esforçar e crer que são totalmente legais ou o mundo estaria perdido. Mas é preciso analisar mais profundamente. Por exemplo, há casos de licitações bastante estranhos. O certame para fazer “eventos” é um deles. Tudo indicava um ganhador, uma empresa campeã de contratos, a Objetiva, que é do Eduardo Graziano — irmão do Xico Graziano, funcionário público do governo FHC (assim como o irmão), e depois do Serra. A Objetiva sempre levava todas no mundo governamental, é muito influente.
Por mais que eu leia o DO, os editais e tudo mais, menos entendo esse caso. Nós publicamos no NaMaria o lançamento do edital em 18/agosto/2009 e contamos parte da história, baseada nos documentos oficiais. Apostamos na Objetiva, porque o histórico da empresa sugeria a vitória certa. Mas, no final ela perdeu. Publicamos novo texto com maiores levantamentos. Às vezes quem perde é mais empolgante do que quem ganha. Realmente foi algo “inexplicável”, entende?
Os editais, quando há licitação e são dispostos ao público, mostram muito mais do que se imagina. As compras de software, sempre Microsoft, são impressionantes. Há especificações tão “específicas” que sugerem que são dirigidas.
Aliás, se lermos com atenção as entrelinhas desses “projetos”, acompanharmos o que rezam os editais e conversarmos com professores e alunos, fica patente a filosofia da SEE-SP. Primeiro, vêm os “negócios”, depois o planejamento.
Viomundo – E agora?

NaMaria – Estamos diante de uma situação, cada vez mais preocupante. Há, por exemplo, um grupo de fornecedores específicos que estão no estado há muito tempo. Mesmo com reclamações, multas, serviços péssimos, eles continuam. As empresas camaleão também estão presentes. Empresas que fazem negócios em nome de outras que foram de fato ganhadoras, também – é o caso das antenas parabólicas, do Alckmin, que tem no blog. Ou seja: há uma espécie de terceirização até nisso.
O fato é que, embora tenhamos dinheiro e profissionais para tornar a educação pública de São Paulo equivalente às melhores existentes no mundo, os “negócios” tornaram-na um lixo.  É necessária uma devassa nos contratos da FDE e da SEE-SP. Quem vai fazer isso com isenção e seriedade necessárias?  Lanço aqui no Viomundo este desafio.

 

Documentação do py3k e python em formato de ajuda do vim

Ajuda para a biblioteca do python 2
http://www.vim.org/scripts/script.php?script_id=3277#1.0

Installing this help file will give you access to the Python 2.7 standard library documentation as a Vim help file (available from within Vim by typing ":help py2stdlib"). For this release I've only tagged the module names (otherwise the help tagspace becomes too cluttered).
 
install details
1. Download the file.
2. Change to your $VIMRUNTIME directory (e.g., "cd ~/.vim").
3. Unarchive the file (e.g., "unzip ~/Downloads/py2stdlib.zip").
4. Change to the "doc" subdirectory (e.g., "cd doc").
5. Rebuild the tags: "vim -c  ":helptags . | :q"


para py3k
http://www.vim.org/scripts/script.php?script_id=3278#1.0

description
Installing this help file will give you access to the Python 3.1 standard library documentation as a Vim help file (available from within Vim by typing ":help py2stdlib"). For this release I've only tagged the module names (otherwise the help tagspace becomes too cluttered).
 
install details
1. Download the file.
2. Change to your $VIMRUNTIME directory (e.g., "cd ~/.vim").
3. Unarchive the file (e.g., "unzip ~/Downloads/py3stdlib.zip").
4. Change to the "doc" subdirectory (e.g., "cd doc").
5. Rebuild the tags: "vim -c  ":helptags . | :q"

Vim: plugin yankring

Este plugin permite navegar entre trechos copiados ou deletados e cola-los de forma simples, basta colar algo e usar Control-p ou Control-n, qualquer dúvida abra a ajuda:

:helptags ~/.vim/doc
:h yankring

Criei um mapeamento para abrir a janela do plugin, para colar uma linha basta pressionar enter.


Você pode baixar o plugin aqui: http://www.vim.org/scripts/script.php?script_id=1234

Artigo em inglês sobre o vim

Neste link: http://stevelosh.com/blog/2010/09/coming-home-to-vim/

Veja também o site vimcasts com vários videos ensinando a usar o vim:
http://vimcasts.org

estes videos do vimeo também são um espetáculo à parte
http://vimeo.com/user1690209/videos

Veja também essas video-aulas: http://www.derekwyatt.org/vim/vim-tutorial-videos/

Novas edições da revista Ilustrar

Para você que gosta de desenho não deixe de visitar este link:
http://www.revistailustrar.com/download.html

Descrição de todos os comandos do linux

Lista de quase todas as mentiras de Serra

Serra não criou o FAT
Seguro-Desemprego - Foi criado pelo decreto presidencial nº 2.284, de 10 de março de 1986, assinado pelo então presidente José Sarney. Sua regulamentação ocorreu em 30 de abril daquele ano, através do decreto nº 92.608, passando a ser concedido imediatamente aos trabalhadores.

FAT Foi criado pelo Projeto de Lei nº 991, de 1988, de autoria do deputado Jorge Uequed (PMDB-RS). Um ano depois Serra apresentou um projeto sobre o FAT (nº 2.250/1989), que foi considerado prejudicado pelo plenário da Câmara dos Deputados, na sessão de 13 de dezembro de 1989, uma vez que o projeto de Jorge Uequed já havia sido aprovado.

Mais ataques de Serra contra os trabalhadores
Revisão Constitucional (1994)
Serra apresentou a proposta nº 16.643, para permitir a proliferação de vários sindicatos por empresa, cabendo ao patrão decidir com qual sindicato pretendia negociar. Ainda por essa proposta, os sindicatos deixariam de ser das categorias, mas apenas dos seus representados. O objetivo era óbvio: dividir e enfraquecer os trabalhadores e propiciar o lucro fácil das empresas. Os trabalhadores enfrentaram e derrotaram os ataques de Serra contra a sua organização, garantindo a manutenção de seus direitos previstos no artigo da Constituição.
É por essas e outras que Serra, enquanto governador de São Paulo, reprimiu a borrachadas e gás lacrimogênio os professores que estavam reivindicando melhores salários; jogou a tropa de choque contra a manifestação de policiais civis que reivindicavam aumento de salário, o menor salário do Brasil na categoria; arrochou o salário de todos os servidores públicos do Estado de São Paulo.
As Centrais Sindicais brasileiras estão unidas em torno de programa de desenvolvimento nacional aprovado na Conferência Nacional da Classe Trabalhadora, em 1º de junho, com mais de 25 mil lideranças sindicais, contra o retrocesso e para garantir a continuidade do projeto que possibilitou o aumento real de 54% do salário mínimo nos últimos sete anos, a geração de 12 milhões de novos empregos com carteira assinada, que acabou com as privatizações, que descobriu o pré-sal e tirou mais de 30 milhões de brasileiros da rua da amargura.

O documento é assinado por dirigentes de Centrais Sindicais
veja o artigo original aqui neste link.

Antonio Neto presidente da CGTB
Wagner Gomes presidente da CTB
Artur Henrique presidente da CUT
Miguel Torres presidente da Força Sindical
Jose Calixto Ramos presidente da Nova Central

Como se comportou José Serra na Constituinte
a) votou contra a redução da jornada de trabalho para 40 horas;
b) votou contra garantias ao trabalhador de estabilidade no emprego;
c) votou contra a implantação de Comissão de Fábrica nas indústrias;
d) votou contra o monopólio nacional da distribuição do petróleo;
e) negou seu voto pelo direito de greve;
f) negou seu voto pelo abono de férias de 1/3 do salário;
g) negou seu voto pelo aviso prévio proporcional;
h) negou seu voto pela estabilidade do dirigente sindical;
i) negou seu voto para garantir 30 dias de aviso prévio;
j) negou seu voto pela garantia do salário mínimo real;
Fonte: DIAP — “Quem foi quem na Constituinte”;pag. 621.

Todos os partidos tem gente contra e a favor do aborto, mas saiba que a única lei favorável ao aborto no Brasil foi aprovada quando José Serra foi Ministro da Saúde:

O único candidato a presidente nestas eleições que já assinou medidas para fazer abortos foi José Serra (PSDB), quando foi Ministro da Saúde, em 1998.
Ele assinou norma técnica para o SUS (Sistema Único de Saúde), ordenando regras para fazer abortos previstos em lei, até o 5º mês de gravidez.

A íntegra da norma pode ser lida aqui: http://www.cfemea.org.br/pdf/normatecnicams.pdf

Veja o vídeo no Youtube: http://www.youtube.com/watch?v=tXTMkA2eGHc&feature=related


Veja também uma mentira do Serra sobre os mutirões da Saúde:
http://www.midiaindependente.org/pt/blue/2010/08/475724.shtml

José Serra não foi o criador dos Genéricos
Parece uma constante na biografia de José Serra a sua pretensão de autoria sobre programas que ele não criou, apenas regulamentou. A história da legislação dos genéricos no Brasil inicia-se pelo então deputado federal Eduardo Jorge, em 1991, quando apresentou o Projeto de Lei 2.022, que planejava remover marcas comerciais dos medicamentos. Em 1993, foi publicado pelo então presidente Itamar Franco, que tinha como ministro da Saúde Jamil Haddad, o Decreto nº 793, que instituiu a política de medicamentos genéricos. Portanto, quando Serra assumiu o Ministério da Saúde, no governo FHC, o programa de medicamentos genéricos já era uma realidade. Serra e FHC apenas revogaram o decreto anterior na íntegra e fizeram uma lei (9.787/99) e um novo decreto (3.181/1999) com muitas concessões ao lobby da indústria farmacêutica.

Pra refrescar a memória dos Brasileiros é bom lembrar que os genéricos foram criados para tentar preencher uma lacuna deixada pelo fim da CEME Central de medicamentos do Ministério da Saúde que fabricava distribuia medicamentos na rede pública, ou seja, mesmo os genéricos não chegam nem perto do que fazia a extinta CEME. Quem acabou com o órgão foi Fernando Henrique Cardoso.

Serra, quando governador, pagou R$ 34 milhões à editora da revista Veja       

O jornalista Altamiro Borges realizou minuciosa pesquisa junto aos editais publicados no Diário Oficial do Estado de São Paulo e divulgou o resultado, nesta terça-feira, após descobrir indícios de um autêntico “mensalão” pago pelo tucanato ao Grupo Abril. A liberação dos recursos ficou gravada no histórico do Diário Oficial do Estado:

DO (Diário Oficial do Estado de São Paulo) de 23 de outubro de 2007. Fundação Victor Civita. Assinatura da revista Nova Escola, destinada às escolas da rede estadual. Prazo: 300 dias. Valor: R$ 408.600,00. Data da assinatura: 27/09/2007. No seu despacho, a diretora de projetos especial da secretaria declara ‘inexigível licitação, pois se trata de renovação de 18.160 assinaturas da revista Nova Escola’.
DO de 29 de março de 2008. Editora Abril. Aquisição de 6.000 assinaturas da revista Recreio. Prazo: 365 dias. Valor: R$ 2.142.000,00. Data da assinatura: 14/03/2008.
DO de 23 de abril de 2008. Editora Abril. Aquisição de 415.000 exemplares do Guia do Estudante. Prazo: 30 dias. Valor: R$ 2.437.918,00. Data da assinatura: 15/04/2008.
DO de 12 de agosto de 2008. Editora Abril. Aquisição de 5.155 assinaturas da revista Recreio. Prazo: 365 dias. Valor: R$ 1.840.335,00. Data da assinatura: 23/07/2008.
DO de 22 de outubro de 2008. Editora Abril. Impressão, manuseio e acabamento de 2 edições do Guia do Estudante. Prazo: 45 dias. Valor: R$ 4.363.425,00. Data da assinatura: 08/09/2008.
■ DO de 25 de outubro de 2008. Fundação Victor Civita. Aquisição de 220.000 assinaturas da revista Nova Escola. Prazo: 300 dias. Valor: R$ 3.740.000,00. Data da assinatura: 01/10/2008.
DO de 11 de fevereiro de 2009. Editora Abril. Aquisição de 430.000 exemplares do Guia do Estudante. Prazo: 45 dias. Valor: R$ 2.498.838,00. Data da assinatura: 05/02/2009.
DO de 17 de abril de 2009. Editora Abril. Aquisição de 25.702 assinaturas da revista Recreio. Prazo: 608 dias. Valor: R$ 12.963.060,72. Data da assinatura: 09/04/2009.
DO de 20 de maio de 2009. Editora Abril. Aquisição de 5.449 assinaturas da revista Veja. Prazo: 364 dias. Valor: R$ 1.167.175,80. Data da assinatura: 18/05/2009.
■ DO de 16 de junho de 2009. Editora Abril. Aquisição de 540.000 exemplares do Guia do Estudante e de 25.000 exemplares da publicação Atualidades – Revista do Professor. Prazo: 45 dias. Valor: R$ 3.143.120,00. Data da assinatura: 10/06/2009.
Negócio milionário
Somente com as aquisições de quatro publicações “pedagógicas” e mais as assinaturas de Veja, o governo tucano de José Serra transferiu, dos cofres públicos para as contas do Grupo Civita, R$ 34.704.472,52 ao longo de um ano. O Ministério Público Estadual já acolheu representação do deputado federal Ivan Valente (PSOL-SP) e abriu o inquérito civil  para apurar irregularidades no contrato firmado entre o governo paulista e a Editora Abril na compra de 220 mil assinaturas da revista Nova Escola.
A compra das assinaturas representa cerca de 25% da tiragem declarada da revista Nova Escola e injetou R$ 3,7 milhões aos cofres do empresário Victor Civita. Mas este não é o único caso de privilégio ao Grupo Abril. O tucano Serra também apresentou proposta curricular que obriga a inclusão no ensino médio de aulas baseadas nas edições encalhadas do Guia do Estudante, outra publicação do grupo.

Serra disse que ”estudou em escola pública, sempre”.
A verdade: Ele também estudou em uma caríssima universidade dos Estados Unidos, segundo o blog

Veja um site que tem uma compilação de quase todas as mentiras ditas por José Serra

Central de Boatos é uma compilação de emails falsos que circulam sobre Dilma Rousseff, juntei tudo que recebi e fiz seus respectivos desmentidos. Cada link remete ao texto em questão.

Espalhem, é importante:
A morte de Mário Kosel Filho: http://migre.me/1pfAb
A Ficha Falsa de Dilma Rousseff na ditadura http://migre.me/1pfCc
O porteiro que desistiu de trabalhar para receber o Bolsa-Família http://migre.me/1pfEJ
Marília Gabriela desmente email falso http://migre.me/1pfSW
Dilma não pode entrar nos Estados Unidos http://migre.me/1pfTX
Foto de Dilma ao lado de um fuzíl é uma montagem barata http://migre.me/1pfWn
Lula/Dilma sucatearam a classe média (B) em 8 anos: http://migre.me/1pfYg
Email de Dora Kramer sobre Arnaldo Jabor é montagem http://migre.me/1pfZH
Matéria sobre Dilma em jornais canadenses é falsa: http://migre.me/1pg1t
Declarações de Dilma sobre Jesus Cristo – mais um email falso: http://migre.me/1pg2F
Fraude nas urnas com chip chinês – falsidade que beira o ridículo: http://migre.me/1pg58
Vídeo de Hugo Chaves pedindo votos a Dilma é falso: http://migre.me/1pg6c
Matéria sobre amante lésbica de Dilma é invenção: http://migre.me/1pg7p
Michel Temer não é satanista, veja o desmentido: http://migre.me/1v4rd
Candidatura de Dilma será impugnada pelo Ficha Limpa.  http://migre.me/1v4BZ
Lula quer garantir conforto próprio após deixar a presidência. http://migre.me/1vOat
Dilma no Conselho da Petrobras: este email falso induz ao erro. http://migre.me/1wjlm
Plano Nacional de Direitos Humanos cerceia liberdades. http://migre.me/1xo5j
Entenda o email sobre Dilma e a Lei da Anistia http://migre.me/1xl5u
Resposta ao email que pede várias confirmações sobre Dilma http://migre.me/1xiVE
Denúncias atribuídas ao ex-marido de Dilma são falsas http://migre.me/1ynyI
Neila Alckmin e a profecia fajuta sobre Dilma http://migre.me/1ym6i
Email do vídeo da reunião do Mensalão – uma falsificação grosseira http://migre.me/1y1LK

Veja com é fácil criar uma ficha falsa de qualquer pessoa, veja então como foi feita a montagem da ficha falsa de Dima, neste link.

linux-cookbook

Grupos do Google
Participe do grupo linux-cookbook
E-mail:
Visitar este grupo